×
Did you know you can save your preferences across all your digital devices and platforms simply by creating a profile? Would you like to get started?
Not right now
No, never ask again
  • Colombiano Ricardo vence o 114º VISA Open de Argentina

  • O colombiano Ricardo Celia posa com o troféu do 114º VISA Open de Argentina apresentado por Macro depois da sua vitória deste domingo no Jockey Club. (Crédito: Enrique Berardi/PGA TOUR)
    O colombiano Ricardo Celia posa com o troféu do 114º VISA Open de Argentina apresentado por Macro depois da sua vitória deste domingo no Jockey Club. (Crédito: Enrique Berardi/PGA TOUR)
  • In This Article

    0
    COMMENTS
  • BUENOS AIRES, Argentina – Depois de fazer quatro birdies nos últimos cinco buracos do torneio para entrar num playoff, o colombiano embocou um putt de doze metros para birdie no terceiro buraco extra para derrotar o americano Brandon Matthews e ficar com o título do 114º VISA Open de Argentina apresentado por Macro. O surpreendente segundo troféu da sua carreira no PGA TOUR Latinoamérica o fez subir do 55º ao 13º lugar da Ordem de Mérito e lhe deu um lugar no 149º British Open que será disputado em Royal St George’s GC na Inglaterra em julho de 2020.

    “Foi incrível!” exclamou o jogador de 25 anos originário de Barranquilla. “O playoff e os últimos buracos são algo que vou lembrar pro resto da minha vida porque foi a maior vitória que já consegui como profissional. Já havia vencido em Quito, mas esta significa mais pela história que tem o Aberto da República e pela vaga que vou ter no British. Tudo foi muito emocionante.”

    No sexto lugar, a quatro tacadas do líder depois de 54 buracos, Celia não parecia um sério candidato depois de começar com double bogey no buraco 1. Depois de quatro buracos se mantinha em 2 acima do par, mas os birdies começaram a aparecer e baixou nos buracos 5, 6 e 9, com mais um bogey no 8. Com isso estava par de campo no dia. Justo quando parecia que seguiria em frente com um eagle no 10, fez bogeys no 12 e no 13 para voltar ao par do campo. A partir do 14 tudo foi sensacional, terminando birdie-birdie-birdie-par-birdie para jogar 66 tacadas e entrar no playoff com Matthew, que jogou 67. O empate depois de 72 buracos foi de 11 baixo do par (269).

    “Emboquei um putt de oito metros no 14, outro de 3 ou 4 metros no 15 e igual no 16”, comentou sobre uma parte que lhe permitiu uma disputa de mano com Matthews, que era um dos seus companheiros de jogo no penúltimo grupo. Com o birdie no 16 Celia tinha uma tacada de vantagem sobre Matthews, mas o americano fez birdie no 17 para alcança-lo.

    No par 4 do 18 sues tiros para a bandeira foram épicos. Matthews colocou pressão deixando as tacada ao green a sessenta centímetros do buraco, mas Celio respondeu batendo um wedge 58º a apenas trinta centímetros. “Deixar a essa distância das 70 jardas com esse green foi impressionante. Picou justo antes do morro e parou ao lado do buraco”, disse.

    Depois de fazer pares no 18 nos primeiros dois buracos extras, o playoff foi ao 17, um par 3 que hoje tinha 175 jardas, e acabou sendo decisivo. “(Brandon) bateu uma grande tacada com o PW e deixou a uns cinco metros. Eu sabia que tinha que bater o ferro 8 e foi uma tacada incrível. Picou um pouco depois da bandeira e consegui embocar o putt que foi uma loucura. Era um putt em descida, com caída da esquerda pra a direita, de mais de dez metros. Quando meti o putt sabia que serio muito difícil ele embocar”, comentou Celia sobre o 75º buraco do campeonato, onde Matthews errou seu putt para birdie de cinco metros depois de ser distraído por algum barulho do público.

    Campeão de um evento do PGA TOUR Latinoamérica em 2017 e jogador do Korn Ferry Tour em 2018 e 2019, Matthews vinha de empatar em quinto lugar no Neuquén Argentina Classic no domingo anterior. Com seu segundo Top 5 seguido, avançou do 91º ao 33º lugar da Ordem de Mérito e garantiu um lugar no Shell Championship que encerrará a temporada daqui a duas semanas em Miami.  

    “Joguei golfe com muita inteligência hoje. Me comprometi a não cometer erros mentais e não os cometi. Não tenho do que reclamar”, disse Matthews, que esteve muito perto de embocar um putt e três metros para birdie que teria lhe dado a vitória no segundo buraco extra.

    Atrás de Celia e Matthews, o terceiro lugar isolado foi para o americano Jared Wolfe, que foi líder do torneio depois de 36 buracos. Wolfe começou fazendo quatro acima do par (38) nos primeiros nove, mas fez um eagle e dois birdies nos segundos nove para uma volta de 70 que o deixou a uma tacada do playoff pelo título. Há dois anos Wolfe também havia ficado uma tacada fora do playoff que definiu este evento aqui mesmo no Jockey Club. 

    O argentino Tommy Cocha, 65 tacadas na volta de hoje, o australiano Ryan Ruffels, 66, e o americano Jonathan Garrick, 73, terminaram empatados no quarto lugar com 7 abaixo do par. Uma tacada mais longe ficaram o americano Justin Suh, que fechou com um 65 para conseguir seu quarto Top 10 consecutivo, o argentino Augusto Núñez, que era líder isolado depois de 10 buracos mas que terminou fazendo dois double bogeys e dois bogeys para uma opaca volta final de 75 tacadas. Apesar de não poder converter a liderança em vitória, Núñez conseguiu aumentar sua vantagem como número um da Ordem de Mérito é o vencedor virtual do título de Jogador do Ano do PGA TOUR Latinoamérica.

    Empatado em 13º lugar deste evento e depois de uma vitória em Córdoba e um segundo lugar na semana passada em Neuquén, o americano Tom Whitney ficou com as honras de campeão do Zurich Argentina Swing. Com um total de US$58.113 nos eventos da Argentina, Whitney superou por pouco menos de 20.000 dólares o argentino Alejandro Tosti, que acabou na segunda colocação. Como vencedor da quinta temporada do Zurich Argentina Swing, o americano ganhou um prêmio de US$10.000 entregue pela Zurich.  

    Outro jogador que deu o que falar na última volta foi o finlandês Toni Hakula, que fez um hole in one no par 3 do 17 para ganhar um carro.  Hakula bateu o ferro 9 das 174 jardas com vento a favor para ser o ganhado de um Ford Kuga. “Acho que essa era a única maneira de fazer algo hoje porque estava jogando muito mal o putter”, disse brincando o finlandês que jogou 69 tacadas neste domingo e terminou o torneio empatado em 18º lugar.

    No final deste torneio, o último aberto a todos os jogadores da temporada, os golfistas no Top 60 da Ordem de Mérito se classificaram para o Shell Championship e garantiram seus cartões para a temporada 2020 do PGA TOUR Latinoamérica. O último lugar entre os Top 60 foi para o espanhol Mario Galiano, que superou por apenas 61 dólares o mexicano Nicolás Maruri.