×
  • ZURICH ARGENTINA SWING

    Domínguez surpreende e vence no playoff

    Derrotou Tom Whitney no segundo buraco depois de empatarem com 16 abaixo do par (272).

  • O argentino Emilio Domínguez posa com o troféu do Neuquén Argentina Classic 2019 depois da sua vitória neste domingo no Chapelco Golf Club. (Crédito: Enrique Berardi/PGA TOUR)
    O argentino Emilio Domínguez posa com o troféu do Neuquén Argentina Classic 2019 depois da sua vitória neste domingo no Chapelco Golf Club. (Crédito: Enrique Berardi/PGA TOUR)
  • In This Article
  • SAN MARTÍN DE LOS ANDES, Neuquén, Argentina – Antes de sair para jogar a última volta do Neuquén Argentina Classic, jogando no pelotão e a três tacadas dos então líderes, o argentino Emilio Domínguez escreveu no seu livro do campo “eu vou fazer”. A frase que anotou quatro vezes em vermelho foi vista repetidamente durante o dia e lhe deu o impulso para vencer o torneio no segundo buraco de um playoff em que derrotou o americano Tom Whitney, líder do Zurich Argentina Swing e um dos jogadores mais consistentes desta temporada do PGA TOUR Latinoamérica.

    No meio de um período de maior inatividade nos seus 14 anos como profissional e jogando este evento graças a um convite, Domínguez seguiu suas voltas de 72, 65 e 68 dos três primeiros dias com um 67 sem bogeys, com birdies enormes nos buracos 16 e 18 para forçar o desempate com Whitney.

    Jogando no penúltimo grupo, o americano havia pisado no acelerador no final da volta, fazendo eagle no buraco 13 e birdies nos buracos 16 e 18 para uma volta de 66 que fixou a liderança em 16 abaixo do par (272).

    Depois de fazer pares no primeiro buraco extra, ambos jogadores erraram seus tiros para o green no segundo buraco extra. No chip para birdie Whitney deixou a bola a quatro metros do buraco mas errou o putt para par, enquanto Domínguez deixou a dois metros e embocou para um par que lhe deu sua primeira vitória em 93 torneios disputados no PGA TOUR Latinoamérica.

    “Que história! Fazia muito tempo que não treinava, que não competia. No último mês estive trabalhando, fazendo greens sintéticos, essa foi minha preparação, movimentando terra daqui para lá. Joguei semana passada em Termas quase sem treinar e serviu para entrar no ritmo e aqui as coisas deram certo. É realmente incrível”, disse Domínguez, que tem 34 anos e é originário de San Luis, Argentina.
    Domínguez foi um dos Top 5 do PGA TOUR Latinoamérica em 2016, mas foi no final daquela temporada que teve uma lesão no pulso esquerdo e não conseguiu aproveitar sua subida ao Korn Ferry Tour em 2017. Desde então precisou passar por uma cirurgia e reabilitação. No processo jogou muito pouco, ficou sem patrocinadores e teve que partir para outros negócios.
    A vitória no Chapelco Golf, onde esta semana as condições de jogo foram ideais, colocou Domínguez na 22º posição da Ordem de Mérito. Nesta colocação garantiu seu cartão para 2020 e se classificou para o Shell Championship – PGA TOUR Latinoamérica Tour Championship que encerrará a temporada em Miami.

    “Ganhar era algo que estava pendente (neste Tour). Estive perto de ganhar muitas vezes e agora finalmente consegui”, disse Domínguez que tinha um recorde de três segundos lugares neste circuito.        

    “Eu tinha pensado em jogar estes torneios para ganhar ritmo para jogar a Classificatória para o PGA TOUR Latinoamérica no começo do ano. Agora não sei dizer (sobre o futuro), mas meu principal objetivo é continuar competindo, ser profissional de golfe e me dedicar completamente a isso. Agora vou continuar jogando e tentando avançar na minha carreira, seja para o Korn Ferry Tour ou em outro Tour.”

    Seguindo os passos de Augusto Núñez, Leandro Marelli e Alejandro Tosti, campeões dos três eventos anteriores, Domínguez deu para a Argentina sua quarta vitória consecutiva no PGA TOUR Latinoamérica. Esta sequência é a segunda melhor dos argentinos no Tour, superada apenas pelos cinco títulos encadeados no início da temporada inaugural em 2012.

    Com o prêmio de segundo lugar, Tom Whitney avançou ao segundo lugar da Ordem de Mérito e se consolidou como líder do Zurich Argentina Swing. Nesta competição que reúne os cinco torneios do Tour na Argentina, Whitney chegou a US$54.928 dólares para aumentar sua vantagem para US$ 17.186 sobre o argentino Alejandro Tosti, que é o segundo. Domínguez é o terceiro, a US$ 21.787 de distância. A esta competição resta apenas o VISA Open de Argentina apresentado por Macro que será disputado a partir de quinta-feira no Jockey Club.

    O terceiro lugar do Neuquén Argentina Classic foi para o argentino Andrés Gallegos. Líder por uma tacada na metade da última volta, Gallegos fez par nos últimos nove buracos para um 69 que o deixou em 14 abaixo do par, duas tacadas fora do playoff pelo título. Tano Goya jogou 66 para ser o quarto isolado com 13 abaixo do par enquanto Jorge Fernández Valdés e o americano Brandon Matthews jogaram 70 para dividir o quinto lugar com 12 abaixo do par.

    O americano Otto Black, líder ao longo dos primeiros 54 buracos, terminou com uma volta de 75 tacadas para terminar em um triplo empate pelo sétimo lugar ao lado dos seus compatriotas Ryan Baca e Jason Thresher. O chileno Mito Pereira, que empatava com Black na liderança depois das duas últimas voltas, fez 5 bogeys para um 77 que fez cair para a décima sexta colocação.